segunda-feira, 12 de julho de 2010

simplicidade


não vou negar que é prazeroso olhar uma tela de computador e ao pressionar algumas teclas vê palavras se formando. sim, eu também gosto. as vezes eu abro o word e fico lá clicando em várias teclas só pra vê as letras se juntando a minha frente ><' mas, de fato nada se compara ao prazer de pegar um lápis/caneta/lapiseira e um papel. vê sua letra tomando forma, uma coisa que assim como o nariz é única. ninguém nunca que terá uma letra igual a sua, por mais que ele tente copiar. sempre que estou em casa sem nada pra fazer pego um caderno velho e um lápis. começo a escrever, as vezes cartas pra pessoas que sinto saudade, as vezes textos pra desabafar, as vezes uma oração. desde que aprendi a escrever a minha vida mudou [eitcha, que coisa mais clichê ¬¬']. tem coisas que a boca não se permite dizer, e se eu não soubesse escrever de fato eu não teria metade do que tenho, ou melhor, de quem eu tenho. em certos momentos eu apenas deixo os dedos presos ao lápis, esperando vir alguma palavra em minha mente. as vezes deixo somente o sentimento falar mais alto. escrever cartas. ah.! de fato é uma coisa que eu sempre gostei, mas confesso que tenho feito muito pouco. antigamente eu colocava a culpa no tempo, dizia que eu não tinha tempo pra isso, que sempre que me programava pra sentar na mesa e começar a escrever acontecia alguma coisa. por isso que a maioria das cartas que escrevo hoje são feitas durante a madrugada, quando todos vão dormir e os pensamentos não me deixam descansar. então eu levanto, pego um lápis e um pedaço de folha e escrevo. não, não é preciso um livro pra demonstrar o que tá sentindo. às vezes um simples 'lembrete' faz toda a diferença. supreender as pessoas é sempre bom, pelo menos eu acho. encontrar um pedaço de papel velho no meio de um livro com os dizeres: 'você é tão importante pra mim' , faz com que o céu mais cinza se torne azul *o* vale tudo. papel velho. papel novo. caneta azul. caneta verde. lápis ou canetinha. um papel de carta ou um simples papel de caderno antigo. um guardanapo. um pergaminho. não, nenhuma tecnologia de ponta poderá roubar o poder que uma carta/um lembrete tem. :)' # um papel amarelo e um mar de lembranças

1 comentários:

Cinderela disse...

que texto maravilhoso...mergulhei nele e deixe-me envolver...
minha escrita era linda...depois da modernidade ate pra assinar meu nome eu faço de letra de forma.
Acho que fazem 10 anos que nao recebo ou envio uma carta escrita..
Poxa tem coisas que nossos futuros filhos nunca saberaooo.
bjks

Postar um comentário